Daniel de Sá

???????????????????????????????Daniel de Sá

Dois de Março de 1944. Três horas da manhã, hora da guerra, que pela do povo seriam duas ainda. Uma casinha ao lado de baixo da do meu avô materno. Nasci. Depois fui quase nómada até aos trinta anos. Uma vintena de mudanças de residência, com dois quartéis em Portugal continental e dois seminários em Espanha pelo meio. Estudos divididos por Santa Maria (4ª classe e 4º ano dos Liceus), Ribeira Grande (5º ano), Ponta Delgada (Magistério Primário), Valência (Filosofia e Teologia) e Granada (Teologia). Casamento em 31 de Março de 1974, com a rapariga mais bonita da Maia. Temos duas filhas e um filho. E duas netas e um neto.
Crónicas e artigos de jornal são muito mais que um milhar. Livros, bem contados, dezanove. O que tem feito mais sucesso: Ilha Grande Fechada. Aquele que vários leitores consideram literariamente mais bem conseguido: O Pastor das Casas Mortas. O que talvez fosse o primeiro que eu salvaria de um naufrágio: E Deus Teve Medo de Ser Homem. O que foi escrito com maior sentimento: Santa Maria, a Ilha-Mãe. Aquele que mais agrada ao povo da minha terra: Sobre a Verdade das Coisas. Um capítulo perfeito, segundo as minhas ambições: o último, de Terceira, Terra de Bravos.
 

 

 


 

Artigos:

 

  • A Virgem do Valado Dezembro 11, 2012 - O Valado da Conceição orgulhava-se de ser ali que o Natal começava mais cedo – na festa da padroeira, a 8 de Dezembro, com a representação de um presépio vivo, […]
  • As palavras de que ele gostava mais Julho 22, 2012 - Era 6ª-feira. Eu pedira aos alunos que escrevessem as palavras de que mais gostassem. Expliquei o melhor que pude que não me referia ao significado mas à beleza fonética. Um […]
  • O Trabalhador Julho 11, 2012 - Os administradores da Direcção do Serviço de Obras, do Aeroporto de Santa Maria, estavam reunidos para decisões difíceis: o despedimento de trabalhadores. O critério escolhido foi o de optarem por […]
  • Gente de meio palmo Abril 17, 2012 - A mãe fazia panquecas. As crianças – a filha e os primos – olhavam e esperavam. Ou esperavam enquanto olhavam. Disse ela: “Há pessoas que gostam de panquecas com chocolate…” […]
  • Salteadores Março 11, 2012 - Salteadores de estrada não os houve só na Idade Média ou no caminho entre Jericó e Jerusalém. No século XX em São Miguel também apareciam alguns, que inquietavam carroceiros e […]
  • Negócio a meias Janeiro 7, 2012 - O vendedor de chapéus, que viera das Furnas, parou na loja do senhor Noé. Entre pilhérias e cálices de aguardente, todos os dias mestre José Pacheco “Ferro-Velho” passava lá quase […]
  • Companheiros da noite Outubro 7, 2011 - Naquele tempo os porcos morriam ao nascer do dia. Sob um céu de estrelas ainda, iam os rapazes chamar os parentes e amigos que ajudariam na matança. Ao Roberto e […]
  • Insónia insidiosa Setembro 6, 2011 - Eu cumprira todos os conselhos para vencer a insónia. Chá de tília, leite quente, cavar terra, acartar pedra, contar carneiros… Até recorri ao curandeiro da Fajã, que já fora promovido […]
  • Curso instantâneo de literatura Julho 16, 2011 - (Aviso: Esta história é rigorosamente autêntica) A moça tinha um desses cursos que vieram substituir o chá de tília ou os curandeiros. Foi-me apresentada ao telefone por um seu amigo. […]
  • Pizzicato Junho 12, 2011 - 1949. A meio caminho para a América, vai a meio a noite. Em Paris já é madrugada de 28 de Outubro. O Constellation da Air France voa sobre São Miguel, […]
  • Três histórias de moral e proveito Maio 10, 2011 - História do marinheiro que não sabia nadar Era uma vez um marinheiro. História do aviador que não sabia abrir o pára-quedas Era uma vez um aviador. História do político que […]
  • Sobre a Academia Popular da Língua | Daniel de Sá Março 31, 2011 - (A Vasco Graça Moura, pelo amor que tem à nossa Língua; E a Malaca Casteleiro e Evanildo Bechara, que igualmente a amam.) Houve um tempo em que muito mais que […]

Partilhar: