Casimiro de Brito

casimiro_de_britoCASIMIRO DE BRITO

Poeta, romancista, contista e ensaísta.

Nasceu no Algarve, em 1938, onde estudou (depois em Londres) e viveu até 1968. Depois de uns anos na Alemanha passou a viver em Lisboa. Teve várias profissões mas actualmente dedica-se exclusivamente à literatura.
Começou a publicar em 1957 (Poemas da Solidão Imperfeita) e, desde então, publicou mais de 40 títulos. Dirigiu várias revistas literárias, entre elas “Cadernos do Meio-Dia” (com António Ramos Rosa), os Cadernos “Outubro/ Fevereiro/ Novembro” (com Gastão Cruz) e “Loreto 13” (órgão da Associação Portuguesa de Escritores). Actualmente é responsável pela colaboração portuguesa na revista internacional “Serta”.
Esteve ligado ao movimento “Poesia 61”, um dos mais importantes da poesia portuguesa do século XX. Ganhou vários prémios literários, entre eles o Prémio Internacional Versilia, de Viareggio, para a “Melhor obra completa de poesia”, pela sua Ode & Ceia (1985), obra em que reuniu os seus primeiros dez livros de poesia.
Colabora nas mais prestigiadas revistas de poesia e tem obras suas incluídas em mais de 190 antologias, publicadas em vários países.
Participou em inúmeros recitais, festivais de poesia, congressos de escritores, conferências, um pouco por todo o mundo.
Foi director de festivais internacionais de poesia de Lisboa, Porto Santo (Madeira) e Faro. Foi vice-presidente da Associação Portuguesa de Escritores, presidente da Association Européenne pour la Promotion de la Poésie, de Lovaina e presidente do P.E.N. Clube Português. Obras suas foram gravadas para a Library of the Congress, de Washington.
Foi agraciado pela Academia Brasileira de Filologia, do Rio de Janeiro, com a medalha Oskar Nobiling por serviços distintos no campo da literatura — entre outras distinções, nomeadamente, em Portugal, a Ordem do Infante. Conselheiro da Associação Mundial de Haiku, de Tóquio. Nomeado “Embaixador Mundial da Paz” (Genebra, 2006).
A Académie Mondiale de Poésie (da Fundação Martin Luther King), galardoou-o em 2002 com o primeiro Prémio Internacional de Poesia Leopold Sédar Senghor, pela sua carreira literária. Ganhou o Prémio Europeu de Poesia Aleramo-Mario Luzi, para o “Melhor Livro de Poesia Estrangeiro publicado em Itália em 2004” e o “Poeteka” na Albânia.
Tem traduzido poesia de várias línguas, sobretudo do japonês e foi traduzido para galego, espanhol, catalão, italiano, francês, corso, inglês, alemão, flamengo, holandês, sueco, polaco, esloveno, servo-croata, macedónio, grego, romeno, búlgaro, húngaro, albanês, russo, árabe, hebreu, chinês e japonês.
A sua obra é composta por mais de 40 livros, a consultar em:


http://casimirodebrito.no.sapo.pt
 

 

 


 

Artigos:

 

  • Do “Livro das Pequenas Coisas” Junho 6, 2012 - 35 Lavei todos os copos menos aquele onde bebeste ontem à noite um vinho comigo. Nele estou agora bebendo o néctar que sobrou. Os teus lábios passaram por aqui. Dois […]
  • Do “Livro das Pequenas Coisas” Maio 29, 2012 - 30 O cabelo apanhado sobre a gola de uma gabardina branca. Sandálias de uma só peça. Imagino-a nua, e jamais saberei porquê, sob a gabardina que — há um pouco […]
  • Do “Livro das Pequenas Coisas” Abril 22, 2012 - 15 Ninguém ouve ninguém. Da surdês que começa antes da palavra: nada se compenetra em coisa nenhuma. Exemplo próximo é a normal surdês humana: eu hoje falava na UL de […]
  • Do “Livro das Pequenas Coisas” Setembro 20, 2011 - Lavei todos os copos menos aquele onde bebeste ontem à noite um vinho comigo. Nele estou agora bebendo o néctar que sobrou. Os teus lábios passaram por aqui. Dois perfumes. […]
  • Do “Livro das Pequenas Coisas” Junho 13, 2011 - 815 Abandono a sombra da minha árvore e parto, vou dar a volta ao mundo, ao mundo que se movimenta — mas nem sempre vejo — na folhagem da minha árvore,  no […]
  • Do “Livro das Pequenas Coisas” Maio 31, 2011 - 20 Ele: Queria ser uma flauta, e que me tocasses a vida inteira. Ela: E eu um violoncelo para ser acariciada entre as tuas pernas. Casimiro de Brito
  • Fragmento – “Livro das Pequenas Coisas” Abril 21, 2011 - 6Hotel no Funchal. O dia começou a brilhar. Vim sozinho mas alguém passeia no meu terraço. Vou ver, pé ante pé. Uma gaivota. Será a mesma que nos visitou há 15 anos? […]

Partilhar: