Urbano Bettencourt

Urbano-Bettencourt-cvUrbano Bettencourt
(Piedade, ilha do Pico, Açores, 1949).

Licenciado em Filologia Românica pela Universidade de Lisboa. Desde 1990, tem leccionado na Universidade dos Açores as disciplinas de Literatura Portuguesa, Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa e Literatura Açoriana, entre outras. Têm-lhe merecido particular atenção as literaturas insulares, sobre as quais já proferiu conferências em Cabo Verde, Madeira, Canárias e Açores.
Colaborador da imprensa desde muito jovem, ficou ligado ao suplemento «Glacial», de A União, jornal terceirense em que viria a alargar a sua participação através dos suplementos «Juvenil» e «Cartaz», nos anos de 1972-1974, altura em que cumpria serviço militar obrigatório na Guiné.
No final dos anos 70 dirigiu em Lisboa, juntamente com o poeta J. H. Santos Barros, A Memória da Água-Viva (revista de cultura açoriana).
Colaborou na rádio e na televisão – para esta última colaborou com José Medeiros na adaptação do romance Mau Tempo no Canal, de Vitorino Nemésio, e no documentário «Djutta Ben-David, Voz & Alma».
Tem colaboração frequente em revistas da especialidade, no país e no estrangeiro e participou na edição das seguintes antologias de poesia açoriana:
Caminhos do Mar. Antologia Poética Açoriano-Catarinense (com Lauro Junkes e Osmar Pisani); Florianópolis, Santa Catarina, 2005.
Pontos Luminosos. Açores e Madeira, Antologia Poética do Século XX (com Maria Aurora Homem e Diana Pimentel). Campo das Letras, 2006.
Azoru. Dzejas antologija (com Leons Briedis). Riga Letónia, 2009.

Obra
Poesia e narrativa: Raiz de mágoa (1972); Ilhas (1976, de parceria com J. H. Santos Barros); Marinheiro com residência fixa (1980); Naufrágios Inscrições (1987); Algumas das Cidades (1995); Lugares sombras e afectos (2005 com desenhos de Seixas Peixoto); Santo Amaro Sobre o Mar (2005, com desenhos de Alberto Péssimo; 2.ª ed. 2009); Antero (2006, com desenhos de Alberto Péssimo); Que paisagem apagarás (2010).
Ensaio: O Gosto das Palavras, 3 vols. (1983, 1995, 1999); Emigração e Literatura (1989); De Cabo Verde aos Açores – à luz da «Claridade (1998); Ilhas conforme as circunstâncias (2003).
 

 

 


 

Artigos:

 

  • Folklíricos & Cia. Julho 17, 2012 - «Eis que,  passados  alguns dias após a nossa chegada, nos deparámos com os folklíricos, a mais curiosa espécie das ilhas.»Quem assim escreve (ressalvando-se, embora, os tropeços da tradução) é o […]
  • Aderências Junho 28, 2011 - Foi muito concorrido o Colóquio Internacional «O Trânsito de Vénus e o desaparecimento da Atlântida». A aderência do público, dizem os jornais, foi de tal ordem que os participantes acabaram colados uns […]
  • Grandes Esperanças Junho 22, 2011 - Desencantado com a vida, a família e os amigos, disse adeus ao mundo e refugiou se na adega com vista sobre o mar do Canal. Ao fim de sete dias […]
  • O romance disfuncional Maio 31, 2011 - O narrador observou demoradamente as personagens. E foi peremptório: – Recuso-me a andar com gente desta! Urbano Bettencourt
  • Ernesto Gregório, clássico Maio 20, 2011 - Leitor compulsivo de Borges, o seu sonho era tornar-se um outro Pierre Menard. E, num acesso de patriotismo (pouco moderno, hélas!), pôs-se a escrever o Livro da Enssynança de bem […]

Partilhar: