Pedro Teixeira Neves

pedro_nevesPedro Teixeira Neves nasceu em 1969, em Lisboa.

Cursou Relações Internacionais. Jornalista desde 1994, passou pelo «Semanário», revista «Arte Ibérica», «Agenda Cultural de Lisboa» e revista «Magazine Artes», publicação que fundou e dirigiu desde 2001 até 2008.

Desde sempre, nessas publicações, tem escrito sobre livros. No campo da Literatura, e enquanto autor, publicou o romance «Uma Visita a Bosch» (Temas e Debates), o livro de poesia «Chiasco» (Quasi Edições»), os livros infantis «Histórias Tais, Animais e Outras Mais» e «Histórias de Patente, com Tenente e Outra Gente» (Caminho), o livro de contos «O Sorriso de Mona Lisa» (Deriva) e o livro juvenil «Amor de Perdição» (adaptação do título homónimo de Camilo Castelo Branco) (Quasi Edições).

Alimenta o blog http://pedroteixeiraneves.wordpress.com
 

 

 


 

Artigos:

 

  • O Filho de Mil Homens de Valter Hugo Mãe … e … A Educação Sentimental dos Pássaros de José Eduardo Agualusa Outubro 7, 2011 - Valter Hugo Mãe «O Filho de Mil Homens» Alfaguara Valter Hugo Mãe está de regresso ao romance, género a que parece agora devotar-se a cem por cento, ele que começou pela poesia, que debutou na escrita a querer […]
  • «Do Longe e do Perto» Maio 5, 2011 - Romance? Talvez não. Novela? Não, não. Crónica? Dos dias, eventualmente. Narrativa? Sim, sem dúvida, ou breves narrativas. Ficção? Aqui e ali, uma pitada, embora não o possamos garantir. Diário? Com muito de. A dúvida, feitas as contas e […]
  • «Os Pretos de Pousaflores», de Aida Gomes; «Inveja», de Mário Avelar Março 3, 2011 - Vejamos. As práticas não ajudam. Falar de literatura africana em Portugal equivale a contar pelas mãos. O resultado é parco, sabe, sobretudo, a pouco. Não em qualidade, antes em quantidade. Os ditos novos são sempre os mesmos, logo […]
  • Colheita 2010 Janeiro 4, 2011 - À colheita do ano, como quem vai aos sonhos pelo Natal ou vindima as horas de leitura. Quem lê, parte do que lê, por obrigação profissional, nem sempre consegue arrecadar tempo para outros voos e empreitadas há muito […]
  • «O Arquipélago da Insónia», de António Lobo Antunes Dom Quixote, 263 páginas Novembro 4, 2008 - Texto (!) urdido nos interstícios da dificuldade experimentada em escrever sobre a escrita de António Lobo Antunes, socorrendo-me da mesma em momentos diversos de «O Arquipélago da Insónia», seu romance mais recente. Ou crítica «citacional», pós- moderna se […]

Partilhar: