A Mentirosa

Tem sido sempre tudo uma colossal e orquestrada mentira. 

Sentada ao centro deste submundo de si, luzes apagadas, Ella percebe agora como tem sido ela a mentir a si própria na fila da frente de todas as coisas:

– Eu, por exemplo, sou uma pessoa boa.

Mente. 

– Eu nunca minto.

Mente.

– Eu sei que ele vai voltar.

Mente.

– Juro-te.

Mente.

– Amo-te muito.

Convivem nela justapostas à mentira outras formas de controlo e mapeamento do mundo:

Mensurar

Opinar

Listar

Copiar

Citar

Cingir

Dirigir

Ordenar 

Decidir

Comandar 

Oprimir

Omitir

Manipular 

Forjar

Forçar

Abandonar 

Seduzir 

Iludir

Evitar 

Rejeitar

Possuir

Agradar

Ultrapassar

Interpretar

Analisar

Apercebe-se então que lhe falta ainda: 

 

Roubar. 

 

Sai de casa, em busca do seu primeiro furto. 

Entra numa loja de bijutarias e objectos miúdos, à esquina, uma marroquinaria. Passeia-se pela profusão de objectos, insegura de qual vai ser seu. Pega-os ao acaso, sente a textura dos tecidos, olha as coisas mas nenhuma traz consigo a necessidade de lhe pertencer. 

Vislumbra por entre uma profusão de incentivos um afia-lápis que traz sobre ele acoplado uma delicada bonequinha de porcelana, uma imitação das bonecas de louça japonesas. Uma preciosidade falsa que remete para um oriente distante. Que na realidade não existe. Pelo menos não assim como o imaginamos. (Mentimos). 

Pega na bonequinha com a mão cheia, de forma a que se deite sobre a palma da sua mão, e que os seus longos dedos cubram o objecto, aninhado no esconderijo improvisado. Caminha por entre os corredores, despretensiosa, e em algum momento coloca a mão no bolso, coloca ambas as mãos nos bolsos do casaco – mas uma cheia e outra vazia. Vagueia pela loja, fingindo olhar o que na realidade não vê. (Mentindo com o olhar). 

Faz tempo até reunir a coragem para sair. 

Atravessa então as portas vidradas, e qual não é o seu êxtase quando os alarmes não soam, nada nem ninguém a denuncia, nem a condena. O seu coração bate forte no peito e a respiração comprimida denuncia o seu pânico. Sente-se ser:

»Sinto-me ser! Sinto-me ser!« – Pensa. 

Sente-se ser. 

Agora está na rua e pode caminhar. Caminha, mas quase de imediato, insatisfeita. Caminha um par mais de quarteirões sem tirar as mãos dos bolsos. A rapidez com que a vida a assola e a toma é a rapidez com que a abandona e a deixa de novo vazia:

»Que prazer fútil e efémero…« 

Caminha sem saber ao certo onde está. Caminha sem saber bem onde foi. Oferece a bonequinha a um menino sentado na rua, a um menino de rua. Percebe nesse momento que nunca mais voltará a roubar:

É que mentir é tão mais a sua verdade.

 
excerto de “O Lago Avesso” (romance) publicação prevista 2013, editorial Caminho


Joana Bértholo