Alberto Pucheu

alberto_pucheuNascido em 1966, Alberto Pucheu poeta é professor de Teoria Literária da UFRJ. Bolsista de produtividade do CNPq e, de 2007 a 2009, Jovem Cientista de Nosso Estado pela FAPERJ. Em 2010, publicou os livros Giorgio Agamben: poesia, filosofia, crítica (Rio de Janeiro: Azougue Editorial/FAPERJ, 2010), Antonio Cicero por Alberto Pucheu (Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010 – Coleção Ciranda da Poesia, organizada por Ítalo Moriconi, Masé Lemos e Diana Klinger) e O amante da literatura (Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2010). Em 2008, organizou o livro Nove abraços no inapreensível; filosofia e arte em Giorgio Agamben (Rio de Janeiro: Azougue Editorial/FAPERJ, 2010). Em 2007, publicou seu primeiro livro de ensaios, Pelo colorido, para além do cinzento; a literatura e seus entornos interventivos (Rio de Janeiro: Azougue Editorial/FAPERJ, 2007), com o qual ganhou, no mesmo ano, o Prêmio Mário de Andrade de Ensaio Literário, concedido pela Fundação Biblioteca Nacional/Ministério da Educação. Em 2007, como poeta, teve sua poesia reunida no livro A fronteira desguarnecida (poesia reunida 1993-2007) (Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2007).

www.albertopucheu.com.br

apucheu@gmail.com
 

 

 


 

Artigos:

 

  • NO E DE FORA DO PRESENTE: ANTONIO CICERO, UM POETA DO AGORAL (II) Agosto 9, 2012 - Retornando a Alguns Versos, não parece, portanto, sem sentido que “as letras brancas de alguns versos me espreitam”. De fato, é o poema que espreita o poeta e não, primeiramente, o inverso; cego para seu ego, cego para […]
  • NO E DE FORA DO PRESENTE: ANTONIO CICERO, UM POETA DO AGORAL (II) Agosto 9, 2012 - Retornando a Alguns Versos, não parece, portanto, sem sentido que “as letras brancas de alguns versos me espreitam”. De fato, é o poema que espreita o poeta e não, primeiramente, o inverso; cego para seu ego, cego para […]
  • IAQUE Maio 22, 2012 - Há dias em que eu gostaria de saltar para uma língua estrangeira, como quem mergulha na Baía de Halong. Vietnamita, dinamarquês, turco, tupi, tibetano ou mesmo japonês. Há dias em que eu gostaria de nadar em uma língua […]
  • do gesto contemporâneo do negar e afirmar Fevereiro 16, 2012 - do gesto contemporâneo do negar e afirmar – ao fim de seu show, após longos aplausos, branford marsalis retorna ao palco. pensando alto, pergunta-se (e, em decorrência, à banda e ao público): – o que iremos tocar? da […]
  • Clarice Lispector Julho 20, 2011 - Num livro, uma frase – uma ferida. Contaminada. Um vírus, à espreita, para se espalhar. Sem uma ferida, que se propaga, não há frase, não há livro. Sem uma ferida, não há leitor. Num leitor, em algum lugar […]
  • BECKETT Maio 19, 2011 - Ao fim de Esperando Godot, uma senhora virou-se, dizendo: “Você gostou disso? É horrível! A gente sai de casa para se divertir e tem de ver uma coisa dessas… Me diga, você gostou disso?” Imediatamente, ao meu lado, […]
  • Anatomia Abril 19, 2011 - Um acaso feliz da anatomia:se a palavra tivesse lábios próprios,largaria de vez o ser humanoao seu próprio abandonode réptil, cerca ou pedrano meio do caminho.Alberto Pucheu

Partilhar: