Alberto Pucheu

alberto_pucheuNascido em 1966, Alberto Pucheu poeta é professor de Teoria Literária da UFRJ. Bolsista de produtividade do CNPq e, de 2007 a 2009, Jovem Cientista de Nosso Estado pela FAPERJ. Em 2010, publicou os livros Giorgio Agamben: poesia, filosofia, crítica (Rio de Janeiro: Azougue Editorial/FAPERJ, 2010), Antonio Cicero por Alberto Pucheu (Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010 – Coleção Ciranda da Poesia, organizada por Ítalo Moriconi, Masé Lemos e Diana Klinger) e O amante da literatura (Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2010). Em 2008, organizou o livro Nove abraços no inapreensível; filosofia e arte em Giorgio Agamben (Rio de Janeiro: Azougue Editorial/FAPERJ, 2010). Em 2007, publicou seu primeiro livro de ensaios, Pelo colorido, para além do cinzento; a literatura e seus entornos interventivos (Rio de Janeiro: Azougue Editorial/FAPERJ, 2007), com o qual ganhou, no mesmo ano, o Prêmio Mário de Andrade de Ensaio Literário, concedido pela Fundação Biblioteca Nacional/Ministério da Educação. Em 2007, como poeta, teve sua poesia reunida no livro A fronteira desguarnecida (poesia reunida 1993-2007) (Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2007).

www.albertopucheu.com.br

[email protected]
 

 

 


 

Artigos:

 

  • NO E DE FORA DO PRESENTE: ANTONIO CICERO, UM POETA DO AGORAL (II) Agosto 9, 2012 - Retornando a Alguns Versos, não parece, portanto, sem sentido que “as letras brancas de alguns versos me espreitam”. De fato, é o poema que espreita o poeta e não, primeiramente, […]
  • NO E DE FORA DO PRESENTE: ANTONIO CICERO, UM POETA DO AGORAL (II) Agosto 9, 2012 - Retornando a Alguns Versos, não parece, portanto, sem sentido que “as letras brancas de alguns versos me espreitam”. De fato, é o poema que espreita o poeta e não, primeiramente, […]
  • IAQUE Maio 22, 2012 - Há dias em que eu gostaria de saltar para uma língua estrangeira, como quem mergulha na Baía de Halong. Vietnamita, dinamarquês, turco, tupi, tibetano ou mesmo japonês. Há dias em […]
  • do gesto contemporâneo do negar e afirmar Fevereiro 16, 2012 - do gesto contemporâneo do negar e afirmar – ao fim de seu show, após longos aplausos, branford marsalis retorna ao palco. pensando alto, pergunta-se (e, em decorrência, à banda e […]
  • Clarice Lispector Julho 20, 2011 - Num livro, uma frase – uma ferida. Contaminada. Um vírus, à espreita, para se espalhar. Sem uma ferida, que se propaga, não há frase, não há livro. Sem uma ferida, […]
  • BECKETT Maio 19, 2011 - Ao fim de Esperando Godot, uma senhora virou-se, dizendo: “Você gostou disso? É horrível! A gente sai de casa para se divertir e tem de ver uma coisa dessas… Me […]
  • Anatomia Abril 19, 2011 - Um acaso feliz da anatomia:se a palavra tivesse lábios próprios,largaria de vez o ser humanoao seu próprio abandonode réptil, cerca ou pedrano meio do caminho.Alberto Pucheu

Partilhar: