Bruno Barão da Cunha

BBCBruno Barão da Cunha nasceu em Lisboa, em 1964. Mesmo com alguma intermitência, desde sempre gostou de escrever. Quando era mais novo fez tentativas de poesia em sebentas escolares, das quais nenhuma chegou até aos dias de hoje. Uns bons anos mais tarde abalançou-se nos contos curtos, que é o registo que prefere, apesar de também escrever poemas e histórias infantis. Viveu um ano nos Estados Unidos, foi à faculdade e começou a trabalhar (há mais de 20 anos que é redactor publicitário). E depois a escrita regressou de novo. Frequentou cursos e a sua produção começou a crescer. Em 2006 dois contos seus foram inseridos no programa História Devida (da Antena 1) e outros dois no programa Da Mão Para A Boca (da Rádio Oxigénio, Lisboa). Tem 2 contos publicados: um no livro “História Devidas” (Asa 2006); outro no fanzine “celacanto sobre o lobo” (nº2, 2010). Também foi cronista regular do entretanto suspenso Semanário Transmontano. De momento tem uns quantos projectos em mão e está a torcer para que pelo menos um par deles saia do computador. Bruno Barão da Cunha gosta de olhar para realidade e retirar dela o que parece ser insignificante. Porque, como diz, é muitas vezes do aparente nada que as histórias podem surgir. E, por mais irrelevantes que sejam, há um dia em que simplesmente decidem existir.
 

 

 


 

Artigos:

 

  • Pirómanos Julho 6, 2012 - Há um mar de chamas do outro lado da cidade. És tu a arder na minha ausência. Pegas fogo aos lençóis, incendeias o quarto, consomes a tua casa em labaredas. […]
  • A entrega Julho 3, 2012 - Clarisse olha-se ao espelho. Está nua. Estica os braços atrás da cabeça, um seio a elevar-se, a auréola a apontar para o tecto. O outro seio teima em não contrariar […]
  • Debaixo da árvore Junho 20, 2012 - Três homens estão debaixo de uma árvore. Apressada, a vida passa diante deles. — Dói-me o corpo — lamenta-se o primeiro. — Dói-me o coração — lamuria o segundo. — […]
  • Contramão Junho 11, 2012 - O rosto de Santiago era fustigado por uma brisa que lhe picava a pele. Cheirava a frio e a abetos numa corrente fina e gelada que se entranhava nas narinas. […]
  • Ponto morto Maio 11, 2012 - Há um único cruzamento no deserto. No relógio de Sebastião os ponteiros mostram uma hora vaga. “19h10m? 11h09m? 09h11m?” — Escolhe o teu tempo. É agora! Sebastião sai do carro, […]
  • Arrastão Abril 27, 2012 - Pegaste na minha mão. Eu não queria. Arrastaste-me até ao quarto. Fui assaltada. Fiquei sem roupa, ainda me debati. Fiquei sem fôlego, fiquei sem mim. Nada sobrou. Rendi-me. Fui presa […]
  • A estalada Fevereiro 12, 2012 - Há duas chávenas vazias em cima da mesa. Trazes um bule com água a ferver,  que poisas em cima de uma base. Sentas-te. Sem dizeres uma palavra,  levantas a mão e […]
  • Bomba atómica Janeiro 31, 2012 - A bomba vai explodir. Já está armadilhada. Só falta digitar o código de acesso e premir o botão. — Vou-te deixar. D. sufoca no ar que o rareia e leva […]

Partilhar: