Ernane Catroli

ernane1Ernane Catroli do Carmo nasceu em Sant’Anna de Cataguases, (MG-1953), onde passou a infância e juventude. Farmacêutico-bioquímico de formação (UFRJ-1976), exerce atividades científicas e acadêmicas na área de saúde, no Rio de Janeiro, onde reside desde 1972. Publica regularmente em alguns blogs dedicados à cultura.
 

 

 


 

Artigos:

 

  • Quase Um Fado Março 23, 2014 - «Aqui, o céu negro e fixo. Março pelo meio. O vento frio lá dos lados do rio: um introito. Assim, evitando detalhes. Que se fosse contar, só olhos vermelhos e […]
  • Segunda Pele Janeiro 7, 2013 - A voz fremente. Verde, o fogo do seu olhar. A ardência no texto. A melancolia dos personagens: herói ansiado no exato momento trágico. Santo, algoz, assassino. Também ladrão. Prostituta feliz. […]
  • Contraluz Maio 6, 2012 - Também o olhar. Um olhar a esmo. Às vezes, fixo: de varar distâncias. Mais tarde, as estampas de santos emolduradas, entremeadas de espinhos, dispostas no chão onde havia de pisar. […]
  • Intermezzo Março 31, 2012 - Possível que ainda exista; espectro, enredado em sombras, mimetizado em tons de verde e seca palha. A mata fechada. Custa-me crer que eu tenha sobrevivido pejado de sonhos e os […]
  • In Loco Janeiro 14, 2012 - Quando cheguei, era a manhã emergindo da madrugada. A casa cheirava a morte. Na sala, os coágulos de sangue sobre o tapete ainda brilhavam sob a luz filtrada pelos vitrais. Um […]
  • Descritivo Dezembro 25, 2011 - Os objetos no aparador da sala e, bastante, apenas um toque. Um leve toque de pontas de dedos e sucessivas as alternâncias de cores, épocas e cenários indizíveis até que […]
  • Saldo Dezembro 16, 2011 - Daquele conto e as entrelinhas, restaram dois meios parágrafos curtos e um salutar cansaço à custa de intuir que nem era necessário que amor fosse a palavra. Bastava o sempiterno […]
  • Dois Tempos Dezembro 6, 2011 - E antes do silêncio derramado que também ocupou um lugar entre nós, ainda ouvi sua voz arrastada. Depois se endireitou na cadeira e secou o suor que lhe corria pela face corada. […]
  • Literal Setembro 26, 2011 - Trazia as filigranas dos dias aureolados de irrealidades. Dádivas bastantes. Imerecidas. O indizível, uma quase dor. Depois, o núcleo do êxtase. E mais o que não ousei. Aqui, onde mais […]
  • Clandestino Setembro 11, 2011 - Surgiu do fundo do palco e o ocupou por inteiro. A sua fala. O seu gingado. O destemor em movimento. O seu olhar abrasado. A desafiar a plateia. E aqui, […]
  • Outra história Agosto 12, 2011 - Tudo aconteceu. Alheio a qualquer batalha, a paisagem é este pátio retangular, muros de pedra e hera, nesgas de céu entre árvores copadas. Daqui a pouco, o ondear de vozes, […]

Partilhar: